10 de dezembro de 2009

Sobriedade


Tomei uma taça
De resignação
Envelhecida
No fundo do poço
Da vida


E não fiquei embriagada.
(Calliope, 10/12/2009)

7 comentários:

OÓCIO disse...

Eu fico sóbrio sóbrio...
Às vezes.
Massa sempre, Calliope.

Roberto Ney disse...

Choquei... rs!
Supas palavras me devoram. Um poema tão breve, mas que formou um labirinto em minha mente.
Arrebatadoramente calíope!
bisous!

Paulo Fernando disse...

Eis um labirinto! Será que tem saída? rs

O poema é breve, arrebatador como uma taça de vinho, e profundo como se fôssemos ao fundo do poço - da vida.

Adorei!

anjobaldio disse...

Muito bom mesmo. Grande abraço.

A Moni. disse...

Resignação vivida,
sofrida
envelhecida
não traria ressaca
por tantos conhecida
Inquietudes aplaca
Mérito de quem ousa a vida.

Alto teor poético... suficiente pra inspirar!

Abraços!

Filipe M. Vasconcelos disse...

Reconheço aqui um estilo de escrita diferente.. Existe autenticidade...
Você já publicou ou pensou em publicar um livro?

Um beijo!

Samuel Pimenta disse...

Misto de pequenez e grandeza, este poema! Bravo!

Samuel Pimenta.

 
BlogBlogs.Com.Br