29 de novembro de 2009

Algumas Coisas

Copo quebrado
Cacos de vidro


Alma quebrada
Cacos de mágoa

Antibiótico revestido
Estômago revirado

Copo quebrado
Leite derramado

Olhos quebrados
Cristais e lágrimas

Ofensa proferida
Honra ferida


Boca calada
Estômago revirado

Embargo na garganta
Alma dilacerada.

Peito opresso
Sangue espesso

Preto no branco

Branco no preto

Imaginação um poço

Oceano de mim


Universal

Mente


Só.

(
Calliope, 29/11/2009)

4 comentários:

Kenia Cris disse...

Sabe que às vezes eu queria não ter uma imaginação tão fértil, que vive me metendo em enrascadas. Mas admiro as mentes brilhantes que controlam a realidade e não se deixam ser presas nas armadilhas da mente.

Beijo sempre carinhoso.

marcelo disse...

Muito lindo! Dá pra ver teu sangue correndo das palavras! Espero que uma transfusão seja possível logo!
Forte abraço!

A Moni. disse...

Um belíssimo - ainda que doloroso - descrever dos sentimentos que se perdem, que são perdidos, de alguma forma se esvaem.

Sinto contigo a dor solidária.

Abraços e obrigada pela visita...

Voltarei por aqui!

Sannasc disse...

Um poema revestido de sobiedade e dono de uma emoção ímpar. Muito belo!

 
BlogBlogs.Com.Br