11 de agosto de 2009

O Que Não é Arte é Artifício


O tempo é ainda de fezes, maus poemas, alucinações e espera. (A Flor e A Náusea, Drummond)

Não há poesia
Não há arte que liberte
O ensimesmado prisioneiro.
Há despinhadeiro
De convicções.
Não há poesia
Não há arte que liberte
Letreiros, outdoors, placas
Propagando
Algumas opiniões.
Não há poesia
Não há arte que liberte
A vaidade.
(Calliope, 12/08/2009)

4 comentários:

Filipe M. Vasconcelos disse...

Belas palavras.. Mas, mais ainda, palavras concretas provindas de um mundo sóbrio..

Imcompreendida disse...

Concordo com você, a arte mais alimenta a vaidade...

um abraço,

Coisas de Meninas disse...

vaidade...é isso mesmo...linda!

john disse...

pelo visto há uma cxerta preocupação com a senhorita qto a "vaidade" em seus poemas recentes.... sinceramente a vaidade é nada mais q nosso desejo de ser vistos de forma única por todos, n chega a ser um pecado o problema é os caminhos q terminamos por trilhar nessa busca
bjão

 
BlogBlogs.Com.Br