7 de julho de 2009

Más'caras

Às Provocações

No baile de máscaras
Todos estão nús
E ainda assim,
Escondem sua vergonha
Com sorrisos dissimulados.
Minha máscara é de tecido
Tecido celular, epiderme,
A minha máscara derrete
Com o fulgor dos meus amores
E das minhas dores.
Minha máscara se descola
Quando o suor desaba dos meus olhos.
Minha máscara cora e descora,
É toda palidez, toda rubor.
(Calliope, 07/07/2009)

3 comentários:

Alisson da Hora disse...

A nossa própria Nudez, frequentemente, ainda incomoda demais. E estamos sempre com as personas às mãos.

john disse...

Acho que todos términamos, por usar máscaras no nosso cotidiano, e o mais desagradavél é que diferente do seu texto, muitos não as deixam cair nem diante do amor, nem diante do prazer, são eternos mascarados cujas faces estão esquecidas ao lado da humanidade, e só o que restam são as sombras do que já foram ou poderiam ter sido.
muito bom
abraços

Silvia disse...

Use máscara ou ficará á margem do que chamamos de sociedade, seja o que eles querem ou abra mão de tudo...

 
BlogBlogs.Com.Br